Curta Irradiando Luz no Facebook  Siga Irradiando Luz no Twitter  Acesse o canal do Irradiando Luz no YouTube  Assine o Feed RSS do Irradiando Luz

Apreciação Crítica do livro “Marketing de Guerra”, de Al Ries e Jack Trout

Marketing de Guerra Al Ries Jack Trout
É impossível, para mim, realizar um trabalho acadêmico a respeito do livro “Marketing de Guerra” (1986), de Al Ries e Jack Trout, sem explicitar uma crítica. Na minha opinião, a visão de mundo e paradigma das quais parte a premissa desta obra ajudam a corroborar o estado de depressão psicológica e falta de sentido da vida que assolam nossa sociedade centrada no mercado. Alberto Guerreiro Ramos chama este fenômeno de síndrome comportamentalista.

“A síndrome comportamentalista é uma disposição socialmente condicionada, que afeta a vida das pessoas quando estas confundem as regras e normas de operação peculiares a sistemas sociais episódicos com regras e normas de sua conduta como um todo”.
Alberto Guerreiro Ramos. A Nova Ciência das Organizações, 1989

Meu propósito com esta crítica é chamar a atenção de meus colegas para questões subjacentes à obra , que por estarem contidas nas entrelinhas, podem passar despercebidas. É o que Alberto Guerreiro Ramos chama de política cognitiva da sociedade centrada no mercado.

“A política cognitiva é a moeda corrente psicológica da sociedade centrada no mercado. Não constitui mero incidente o fato de que, em toda sociedade em que o mercado se transformou em agência cêntrica da influência social, os laços comunitários e os traços culturais específicos são solapados ou mesmo destruídos. (…) A política cognitiva, cujo objetivo é afetar a mente do povo”.
Alberto Guerreiro Ramos

Marketing e a ideologia da sociedade centrada no mercado

“Assim nasceu a Coleção Eficácia Empresarial. Uma contribuição decisiva no sentido de se acelerar (…) o processo de institucionalização da ideologia de marketing em nosso país.”
Milton Mira de Assumpção Filho, Coleção Eficácia Empresarial (introdução à Al Ries e Jack Trout, 1986).

Se, de fato, a ideologia de marketing é fazer as pessoas acreditarem que a vida cotidiana é guerra, então seus idealizadores deveriam ter a consciência de que estão contribuindo para o aumento da incidência de doenças mentais e problemas psicológicos, tais como depressão, estresse e alienação. A ideologia de marketing é um problema de saúde muito mais sério do que alcoolismo, tabagismo e abuso de drogas ilícitas.

Quem quer viver em clima de guerra?

“Assim é o mundo dos negócios, da concorrência, e do marketing: uma verdadeira guerra”.
Francisco Alberto Madia de Souza. Introdução (prefácio à Al Ries e Jack Trout, 1986).

Esta é a maneira pela qual o livro é introduzido pelo editor. Um bom resumo do conteúdo do livro e da triste ideologia que domina nossa sociedade. Afinal de contas, o estado psicológico em que soldados vivem numa guerra é algo que deveria ser evitado pelas pessoas, não buscado e louvado como uma solução para crises econômicas. Já não basta a indústria da guerra ser a principal força motriz do capitalismo global, agora a ideologia de guerra também passa a ser a força psicológica que impulsiona nossa sociedade. Isso não é brincadeira, é coisa séria.

Marketing: ciência, arte ou picaretagem?

“A guerra de marketing é uma tentativa de aplicar pensamento militar a problemas de marketing. Marketing, como disciplina científica, tem menos de 100 anos de idade. Marketing está há muito tempo se desenvolvendo pela prática e dedicando pouco tempo à formulação de uma teoria. A teoria militar pode preencher esta lacuna”.
Al Ries e Jack Trout

“Como a guerra militar, a de marketing é uma arte, não uma ciência”.
Al Ries e Jack Trout

“Diferentemente das obras de arte, que muitas vezes são julgadas por sua originalidade, criatividade e ousadia de pensamento, as estratégias de marketing devem ser julgadas por sua efetividade somente no ponto em que entram em contato com o cliente e com a concorrência.”
Al Ries e Jack Trout

Nas três citações acima, pode-se perceber a falta de consistência dessa obra. Cada afirmação contradiz a anterior, e o leitor fica sem saber se afinal de contas o marketing é arte ou ciência. Se marketing é o que eles estão descrevendo, então acredito que a definição dos editores de “ideologia” serve melhor do que ciência ou arte. Aqui vemos o que Alberto Guerreiro Ramos chama de colocação inapropriada de conceitos.

“Embora a deslocação de conceitos possa constituir um meio valioso, profícuo e legítimo de formulação teórica, pode muito facilmente degenerar numa colocação inapropriada de conceitos. A colocação inapropriada de conceitos contamina, presentemente, o campo da teoria organizacional”.
Alberto Guerreiro Ramos

Visão superficial de história

“Desde a Segunda Guerra Mundial que o Rei Cliente tem reinado com supremacia no mundo de marketing. Mas está começando a parecer que o Rei Cliente está morto e que o pessoal de marketing tem vendido um cadáver à cúpula da organização”.
Al Ries e Jack Trout

A análise histórica do fenômeno do marketing nas empresas apresentada pelos autores é superficial, criadora de mitos e falaciosa, sem nenhum caráter científico. Representa perfeitamente uma visão acrítica e a-histórica da realidade organizacional, que é típica do paradigma funcionalista da teoria das organizações.

“Os teóricos e os praticantes da organização foram, inconscientemente, capturados no domínio da política cognitiva, por se permitirem a formulação de conceitos e métodos, bom como a implementação de estratégias e planos gerenciais que aceitam, sem maiores explicações, o mundo organizacional imediato”.Alberto Guerreiro Ramos


Marketing de Guerra: já não temos violência demais no mundo?

Empresa com foco no cliente: mito ingênuo ou mentira deliberada?

“Hoje, porém, toda empresa é voltada para o cliente”.
Al Ries e Jack Trout

Mais uma afirmação do autor sem a mínima comprovação, apenas mais alguns mitos a serem alimentados. Se for verdade que toda empresa é voltada para o cliente, qual a razão de existir em nosso país um órgão como o PROCON, que contabiliza centenas de milhares de reclamações de consumidores em todas as áreas do mercado?

Talvez os autores vivam em um mundo diferente do meu, mas neste mundo em que eu vivo, não vejo apenas pessoas satisfeitas. Pelo contrário, vejo cada vez mais pessoas insatisfeitas e infelizes, não só com o que consomem, mas também com seus empregos, por serem obrigados a viver em permanente estado de guerra, graças à ideologia do mercado.

“A disciplina organizacional existente (…) focaliza erradamente sua atenção sobre o atendimento da necessidade de personalização dos cidadãos no contexto do ambiente de trabalho. Isso implica uma incompreensão duplamente errada. Primeiro, (…) não percebem que os próprios empregos são incidentais, no processo de personalização; segundo, ao que parece, não levam em conta o fato de que a estrutura de emprego da sociedade avançada de mercado é cronicamente incapaz de proporcionar ocupação para todos os cidadãos dispostos a trabalhar”.
Alberto Guerreiro Ramos

Marketing: satisfação das necessidades ou criação de desejos?

“Hoje, a verdadeira natureza da ação de marketing envolve conflito entre empresas, não a satisfação das necessidades e desejos humanos”.
Al Ries e Jack Trout

Talvez não só hoje seja esta a natureza da ação de marketing, mas desde o advento do capitalismo seja este o princípio norteador das ações das empresas. Por isso, mais uma vez afirmo que a satisfação das necessidades e desejos humanos nunca foi objetivo de nenhuma empresa, e estes nunca serão satisfeitos por organizações cuja ideologia seja a guerra e o cálculo utilitário.

Guerra, Marketing e…. Deus?!?!

“Em guerra, tanto militar como mercadológica, sempre há baixas. Em ambos os lados”.
Al Ries e Jack Trout

Sem dúvida alguma há baixas em ambos os lados. Tanto no lado das empresas, que impõem e acatam esta ideologia, mas também do lado dos consumidores e trabalhadores, sempre deixados de lado e obrigados a viver em guerra, mesmo em tempos de paz.

“‘Deus’, disse Napoleão Bonaparte, ‘está do lado dos grandes batalhões”.
Al Ries e Jack Trout

Tudo bem que o autor da frase é Napoleão Bonaparte, mas os autores perderam mais uma oportunidade de permanecer em seu campo de estudo, que não inclui o simbólico, a ética e a moral. Mas preferiram extrapolar os limites do mercado, falando de Deus, o que definitivamente está muito além das competências de uma economia de mercado.

Mentes mesquinhas só conseguem conceber mediocridade

“As batalhas de marketing são combatidas em um lugar mesquinho e feio. Um lugar escuro e úmido.(…) As batalhas de marketing são combatidas dentro (…) de sua própria mente e a de seus clientes em perspectiva”.
Al Ries e Jack Trout

Pela amostra a qual tive acesso (a obra que é objeto desta apreciação crítica), acredito realmente que a mente dos autores é um lugar mesquinho, feio, escuro e úmido. Mas me incluam fora dessa!

“A essência de uma estratégia sólida é conseguir vencer a guerra de marketing sem brilhantismo tático”.
Al Ries e Jack Trout

Esse aforismo, uma ode à mediocridade, encerra a presente apreciação crítica ao livro “Marketing de Guerra“.

Referências

RAMOS, Alberto Guerreiro. A Nova Ciência das Organizações – Uma reconceituação da riqueza das nações. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1989.

RIES, Al; TROUT, Jack. Marketing de Guerra. 25ª Edição. São Paulo: McGraw-Hill, 1986.

Este artigo foi publicado originalmente em 15/04/2008. Foi revisado e recebeu uma nova roupagem em 12/02/2011.

GOSTOU? ACOMPANHE O IRRADIANDO LUZ DE PERTO

Assine nossa newsletter e receba as atualizações do blog no seu email.

Com apenas um clique você irradia luz à sua caixa de entrada!

 

Artigos sobre Ciência, Epistemologia e Sociologia da Administração

A ciência é neutra?

Muitos cientistas querem afirmar a neutralidade, mas a verdade é que somos naturalmente parciais. Toda e qualquer observação de fatos não é desprovida de valores, e a própria escolha do objeto de pesquisa depende de preferências pessoais do pesquisador. Pesquisas científicas são financiadas por pessoas ou instituições com interesses políticos. O mito da ciência pura e neutra é desconstruído por Marx, Weber e uma diversidade de autores. Leia o artigo completo: A ciência é neutra?

Alberto Guerreiro Ramos, vida e obra do maior sociólogo do Brasil

Alberto Guerreiro Ramos foi um dos maiores intelectuais brasileiros, e provavelmente o maior sociólogo do país. Sua obra acadêmica é reconhecida internacionalmente. Suas pesquisas ajudam até hoje o campo de administração a ser capaz de inovar e levar em consideração a dimensão da sustentabilidade ambiental. Guerreiro tem uma forma de fazer ciência e de produzir conhecimento que vai de encontro aos moldes hegemônicos, que se contrapõe à nossa propalada cordialidade. As críticas dirigidas por Guerreiro a nomes consagrados nas ciências sociais brasileiras como, Florestan Fernandes, não deixam dúvidas sobre o seu estilo. Leia sua biografia completa: Alberto Guerreiro Ramos, vida e obra do maior sociólogo do Brasil

Gestão de Ecovilas: Dissertação de Mestrado de Gabriel ‘Dread’ Siqueira

O que é uma ecovila? Como se administra uma ecovila? Qual a diferença entre uma ecovila e uma comunidade alternativa? Como acontece a gestão em uma comunidade intencional? Foram essas inquietações que me levaram a escolher a gestão de ecovilas como tema da minha dissertação de Mestrado em Administração pela UFSC, que concluí em julho de 2012. Para realizar minha pesquisa, fiz um mapeamento das ecovilas, comunidades intencionais sustentáveis e comunidades alternativas existentes no Brasil. Encontrei referência a pelo menos 99 comunidades ativas no país. Leia o artigo completo: Gestão de Ecovilas: Dissertação de Mestrado de Gabriel ‘Dread’ Siqueira – Como é a administração de uma ecovila?

A redução da Redução Sociológica de Alberto Guerreiro Ramos

A Redução Sociológica pressupõe um olhar criterioso sobre a ciência. A principal preocupação de Guerreiro Ramos era ser um sociólogo “em mangas de camisa”, inserido e atuante em seu contexto social, adotando uma postura política transformadora. Ele estava se rebelando contra a sociologia que era (e ainda é) dominante nas universidades brasileiras: uma sociologia “de gabinete”, distante da realidade nacional, e “consular”, onde o sociólogo atua menos como um solucionador de problemas e mais como representante de uma teoria estrangeira incapaz de explicar a realidade local, apoiando assim a dominação cultural e científica que os países periféricos sempre sofreram e continuam sofrendo.. Leia o artigo completo: A redução da Redução Sociológica de Alberto Guerreiro Ramos

A Síndrome Comportamental, de acordo com Alberto Guerreiro Ramos

Onde quer que a articulação do pensamento não encontre critérios de exatidão, não existe sabedoria. A síndrome comportamentalista faz com que o indivíduo se comporte como uma engrenagem. Alberto Guerreiro Ramos analisa a base psicológica da teoria organizacional e da ciência social em voga. O autor considera que as organizações são sistemas cognitivos e que seus membros em geral assimilam, interiormente, tais sistemas e assim, sem saberem, tornam-se pensadores inconscientes. Leia o artigo completo: A Síndrome Comportamental, de acordo com Alberto Guerreiro Ramos

Consenso e a racionalidade substantiva, TCC de Gabriel ‘Dread’ Siqueira

Vivemos em uma democracia participativa (ou não), onde a vontade da maioria é entendida como antagônica à da minoria. Esta minoria fica assim excluída do processo decisório político. O conflito é punido e reprimido na democracia. O consenso é a superação da democracia excludente. O objetivo do consenso é convergir alternativas e possibilidades de atender a necessidades de diferentes grupos e setores sociais em soluções conciliatórias. O conflito é uma etapa necessária do processo de consenso. É neste contexto que elaborei meu Trabalho de Conclusão do Curso de Administração. Leia o artigo completo: Consenso e a racionalidade substantiva, trabalho de conclusão do curso de Gabriel ‘Dread’ Siqueira

As organizações do movimento alternativo, por Mauricio Serva

Joseph Huber, sociólogo, economista e professor do Departamento de Ciências Políticas da Universidade Livre de Berlim, fêz uma extensa pesquisa sobre organizações que ele denominou “projetos alternativos” no inícios dos anos 80, na então Alemanha Ocidental. Caracterizando o “movimento alternativo” como uma “explosão de idéias”, Huber (1985) nos dá uma visão suficientemente ampla desse movimento na Alemanha, relacionando as grandes áreas onde tais organizações aparecem. Leia o artigo completo: As organizações do movimento alternativo, por Mauricio Serva

A Grande Transformação, de Karl Polanyi

O futuro de alguns países já pode ser o presente em outros, enquanto alguns ainda podem incorporar o passado dos demais. Mas o resultado é comum a todos eles: o sistema de mercado não será mais auto-regulável, mesmo em princípio, uma vez que ele não incluirá o trabalho, a terra e o dinheiro. Karl Paul Polanyi foi um um filósofo, economista e antropólogo húngaro, conhecido por sua oposição ao pensamento econômico tradicional. Leia o artigo completo: A Grande Transformação, de Karl Polanyi

Empowerment: uma abordagem crítica

Empowerment, em português, significa “dar poder a”. No entanto, no contexto da Teoria das Organizações, empowerment é mais uma “tecnologia”, “modelo”, “técnica” ou até mesmo “modismo” da prática administrativa, recentemente muito popular nos círculos gerenciais. Deve-se atentar para o fato de que empowerment, assim como outras “tecnologias revolucionárias” e “tendências” administrativas, podem ser (e geralmente são) instrumentos de controle, maneiras de legitimar o papel central das organizações econômicas na vida de seus funcionários. Leia o artigo completo: Empowerment: uma abordagem crítica

A Nova Ciência das Organizações: uma reconceituação da riqueza das nações

Foi a última obra publicada por Alberto Guerreiro Ramos, em 1981. Este livro foi publicada originalmente em inglês pela Universidade de Toronto (University of Toronto) com o título “The new science of organizations: a reconceptualization of the wealth of the nations”. É o resultado de suas pesquisas sobre a redução sociológica como “superação da ciência social nos moldes institucionais e universitários em que se encontra”. Uma proposta revolucionária de ciência, embasada em uma racionalidade substantiva. Leia o artigo: A Nova Ciência das Organizações: uma reconceituação da riqueza das nações, de Alberto Guerreiro Ramos

Banca da Graça: uma experiência de economia da dádiva e amor incondicional

Imagine que você está andando no centro de sua cidade. De repente, você se depara com uma banca cheia de CDs, DVDs, livros, utensílios diversos, brinquedos de criança, aparelhos celulares e até um computador. Instigado pela curiosidade, você resolve se aproximar e descobre que tudo isso está de graça. É só chegar e pegar! Esta é a proposta da Banca de Graça, uma iniciativa subversiva e revolucionária que você vai conhecer agora. Leia o artigo completo: Banca da Graça: uma experiência de economia da dádiva e amor incondicional

4 respostas para “Apreciação Crítica do livro “Marketing de Guerra”, de Al Ries e Jack Trout”

  1. Marcelo disse:

    Acho que a crítica deveria ser feita ao sistema capitalista e não ao livro de marketing. Há um livro que fala de marketing não deve ser dado a responsabilidade dos problemas sociais. existe uma incommpreensão do que RIES quiz dizer em relação chama de arte e ciencia. Segundo Ries, o marketing é uma arte, se comparado as açoes militares e nada tem em relação com as artes humanas em geral. O belo para o marketing nada significa se não houver resultado no mercado. Isso que ele quiz dizer. É preciso criticar, mas para isso é preciso entender o que o autor quiz dizer.

  2. Gabriel Dread disse:

    Marcelo,

    “É preciso criticar, mas para isso é preciso entender o que o autor quiz dizer.”
    Você realmente entendeu o que eu quis dizer?
    Eu não acho.
    Não estou responsabilizando o Marketing pelos problemas sociais. Repito aqui o que está escrito, repare bem:
    “na minha opinião, a visão de mundo e paradigma das quais parte a premissa desta obra ajudam a corroborar o estado de depressão psicológica e falta de sentido da vida que assolam nosso mundo, nesta sociedade centrada no mercado.”
    Entendeu?
    Não afirmo que o marketing causa problemas sociais, enm que é o responsável por vivermos em uma sociedade centrada no mercado… afirmo que ele é apenas mais um retrato da falta de sentido que grande parte dos indíviduos vivendo neste planeta sentem ao olharem para suas vidas. A meu ver, enxergar o “mercado” como um campo de batalha é uma das patologias de nossa sociedade. Se preferir, entenda “sociedade centrada no mercado” como “capitalismo” ou mesmo “sistema”. Percebe que a minha crítica também se estende ao “capitalismo”, e que o referido livro foi apenas um meio de expressar isso?

    Se o autor quer conferir um novo sentido à palavra “arte”, era melhor ele ter explicitado isso. Mesmo que ele faça a distinção entre as belas artes e a arte da guerra, ainda assim as três citações que destaquei continuam a se contradizer.
    Afinal, em uma delas, afirma que a Teoria Militar pode suprir a lacuna existente no Marketing como “disciplina científica” (você me permite chamar isso de ciência?), enquanto na citação seguinte, afirma que a guerra militar (e a de marketing) é uma arte, não uma ciência. Como então é possível preencher a lacuna na “disciplina científica” (sic!) acima referida?

    Um abraço
    Gabriel

  3. Que pensamento forte, que Blog Vivo!
    Gostei!
    Te vi lá no Cova do Urso e vim conferir!
    Abraço!

  4. Anônimo disse:

    Se o Marketing fosse o problema da sociedade isso seria um presente para a humanidade.

Deixe uma resposta para Anônimo Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assinar por email

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações na sua caixa de entrada.

 

Irradiando Luz é sustentado por seus leitores

Doe Irradiando Luz
Ajude a manter o Irradiando Luz.

Com apenas R$ 1, você já pode apoiar o nosso portal a continuar existindo e espalhando boas notícias e dicas práticas sobre ecovilas e a transição pessoal e global.

Artigos Recentes

Gentileza Gera Gentileza
Arte e Guerrilha
Festival Burning Man
Dia de Doar logo
Black Friday
Alberto Guerreiro Ramos capa A Nova Ciência das Organizações tomando chimarrão
Feriado e férias do trabalho são essenciais
Curso online Como morar numa Ecovila!
Aldeia Ecovila Coletivo de Famílias
Quero Morar numa Ecovila!
Gestao de Conflitos em Ecovilas
Mandato Coletivo da Bancada Ativista (PSOL) foi eleito deputado estadual em SP!
Ocupação Beatriz Nascimento do MTST Sergipe
Coxinhas e mortadelas se amando
MST Movimento Sem Terra
MST e a Reforma Agraria
Família Irradiando Luz
Êxodo! Webnário
Congresso Nacional e o Legislativo
Como votam os anarquistas
Curso Exodo Sao Paulo
Ecovilas Canal Futura
Categorias

Arquivo do Blog

TEDx Genebra com Gabriel Siqueira

Let's include Conflicts in our plans! | Gabriel Siqueira | TEDxGeneva

Estar em um relacionamento significa que vamos vivenciar conflitos mais cedo ou mais tarde. Ao invés de negar, evitar ou tentar gerenciar os conflitos depois que eles aparecem, tensões podem ser parte do ecossistema de relações que construímos diariamente na nossa vida social e profissional. Assista o vídeo: Vamos incluir os conflitos nos nossos planos! TEDxGenebra | Gabriel 'Dread' Siqueira