Curta Irradiando Luz no Facebook  Siga Irradiando Luz no Twitter  Acesse o canal do Irradiando Luz no YouTube  Assine o Feed RSS do Irradiando Luz

Boa Viagem

por Irene Ribeiro de Castro Siqueira*

Existe em minha terra, velha terra povoada de lendas e histórias, uma passagem estreita e profunda entre dois barrancos, que o povo chama a “Cova da Boa Viagem”.

Por que esse nome “Boa Viagem” quando a passagem é estreita e escura, no solo e nos lados apontam pedras, tudo enfim que possa dificultar a marcha do cavaleiro?

Os homens se benzem assustados ao penetrar nela, as mulheres murmuram preces para o descanso eterno daquelas almas das quais as cruzes ali existentes mantém viva a presença.

O eco das passadas dos cavalos ressoa lugubremente, lembra gemidos…

Tal denominação nos encabulava e uma vez uma velha negra, remexendo no fundo de sua memória já cansada de tanto ver, de tanto ouvir, deu-nos a chave do enigma.

Foi há muito tempo…

A pretensiosa cidadezinha de hoje era apenas a Picada do Campo Grande da Conquista de Goiás.

A descoberta do ouro em Goiás agitava os aventureiros. A “Picada” via passar aqueles homens que iam em busca do ouro e que muitas vezes voltavam com ele.

À entrada daquele povoado humilde, destacava-se uma casa, a casa de Seu Salustiano.

Ali os viajantes pousavam. Seu Salustiano era a própria gentileza, recebia-os amavelmente; peritas escravas tornavam sua cozinha afamada e a bela Dona Otília era a hospedeira perfeita.

Conseguia dar ao seu recato de mineira tal graça e tal encanto, que os olhos dos viajantes, cansados de contemplar serras e montes, cansados de tanto interrogar o horizonte sobre a distância que os separava do alvo, esses olhos descansavam ao ver-lhe a figura gentil.

À noite, na varanda, à luz das estrelas, os viajantes conversavam com o dono da casa. O ambiente era propício a confidências… Os forasteiros se deleitavam aos encontrar naquelas brenhas um espírito alegre e compreensivo.

E falavam, falavam…

Às vezes eram apenas planos, planos para a conquista da riqueza, planos esboçados ou já frustrados; mas de outras, era as vozes alegres daqueles que levavam consigo, como mensageiros ou proprietários, ouro, muito ouro.

Um vinho cálido lhes destravava a língua, e Seu Salustiano, maneirosamente, os olhos brilhando no escuro, indagava tudo: o que levavam, quanto levavam, se não tinham medo dos aventureiros e ladrões que infestavam aquelas paragens.
E os hóspedes, amáveis, se abriam.

Finalmente, o dono da casa os aconselhava que fossem dormir, que era tarde, que precisavam madrugar.

Os viajantes se deitavam em leitos macios, cheirando a alfazema, e, entre dois bocejos, elogiavam a bondade de Seu Salu, a beleza de Dona Otília.

Na cozinha, dois escravos esperavam o patrão.

As informações sobre o ouro que levavam eram cuidadosamente transmitidas aos pretos e lá saiam eles dentro da noite e iam para a emboscada, à entrada da estreita passagem.

Madrugada escura, levantava-se Dona Otília; era-lhes servido um gostoso café e Seu Salu acompanhava-os até a porta desejando-lhes uma “Boa Viagem!”

E assim caminhavam para a morte, levando com eles os votos amáveis de Seu Salu que lhes desejara “uma boa viagem”.
Era a última voz humana que ouviam.

O compasso dos cascos dos cavalos repetiam “Boa viagem!”, “Boa viagem!”

* Irene Ribeiro de Castro Siqueira (1923-2016): nascida em Itapecerica, Minas Gerais, foi professora, advogada, servidora pública, mãe, avó, bisavó… e também escritora! Leia também “Mater Dolorosa“, da mesma autora.

Esse post é uma homenagem a minha querida avó Nena. Ela viveu uma vida plena e repleta de alegrias e conquistas e esteve ao lado do amado Américo por quase 62 anos, segurando na sua mão até o último dia de sua vida. Me sinto honrado de ter convivido com ela e ter tido a sorte de nascer seu neto.

A Vó Nena dava muita importância para a família, sempre fez questão de promover encontros dos filhos e netos. Muita bênção podermos nos despedir dela dessa forma, juntos em família. Ela estará para sempre conosco, 4 filhos, 8 netos e 5 bisnetos (por enquanto) e junto de todos e todas que tiveram o privilégio de conviver com ela. Viveu plenamente e descansou em paz, sem ter visto nenhum de seus descendentes falecer. Gratidão, vó Nena. Descanse em paz.

Encontros e Desencontros

 

Esta postagem faz parte da blogagem coletiva Encontros e Desencontros, do Blog Palavrentas e Escrevedores, da Aléxia. O textos serão publicados no blogue dela com o devido link.

5 respostas para “Boa Viagem”

  1. cova-do-urso disse:

    Belíssimo texto. Muito bem escrito e enternecedor. Abraço.

  2. Compulsão Diária disse:

    Seu Salustiano e gangue, como todos os malandros são simpáticos, sedutores…
    Belo blog.
    Interessante

  3. Gabriel Dread disse:

    @António: que bom que gostou. (To respondendo tudo, meio atrasado mas pelo menos tô respondendo… eu chego lá!)

    @Compulsão Diária: agradeço muito e irei repassar para minha avó seus elogios.

    Abração
    Gabriel Dread

  4. Olá Gabriel gostei muito de ler este lindo conto.Beijinhos.

  5. Gabriel Dread disse:

    Maria de Fátima!

    Vou retransmitir seu comentário à Dona Irene…

    Abração
    Gabriel Dread

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assinar por email

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações na sua caixa de entrada.

 

Irradiando Luz é sustentado por seus leitores

Doe Irradiando Luz
Ajude a manter o Irradiando Luz.

Com apenas R$ 1, você já pode apoiar o nosso portal a continuar existindo e espalhando boas notícias e dicas práticas sobre ecovilas e a transição pessoal e global.

Categorias

Arquivo do Blog