Curta Irradiando Luz no Facebook  Siga Irradiando Luz no Twitter  Acesse o canal do Irradiando Luz no YouTube  Assine o Feed RSS do Irradiando Luz

Vocês não estão entendendo nada, ou Os Mutantes no pais da Tropicália

 
Em 1964, os irmãos Arnaldo Baptista e Cláudio César Dias Baptista, juntamente com Raphael Vilardi e Roberto Loyola, fundaram o grupo The Wooden Faces. Um ano depois, conheceram e convidaram Rita Lee – então no Teenage Singers – a integrar a banda. Ainda entraria no grupo Sérgio, o caçula na família Baptista. A nova banda passou a se chamar Six Sided Rockers, depois O Conjunto e O´Seis.
Em 1966, como está escrito na Bíblia da Internet Wikipedia, eles gravaram compacto simples pela Continental com as composições “Suicida” (de Raphael e Roberto) e “Apocalipse” (de Raphael e Rita), que vendeu menos de 200 cópias. Ainda naquele ano, Cláudio César, Raphael e Roberto deixariam o grupo. Arnaldo, Rita e Sérgio mantiveram o grupo, que foi rebatizado com o nome definitivo de Os Mutantes – por sugestão de Ronnie Von, que, naquela ocasião, lia “O Império dos Mutantes”, (ficção científica de Stefan Wul).

Em 1967, Rogério Duprat, o maestro da Tropicália, os apresentou a Gilberto Gil. Apesar de nenhum dos Mutantes ler cifras e partituras musicais nem conhecer a complexidade harmônica dos arranjos elaborados por Gil e Duprat, a banda mandou muito bem nos ensaios e acabou participando da gravação de “Domingo no Parque”, que ganhou o 2º lugar no terceiro Festival de Música Popular Brasileira (TV Record, outubro de 1967 – veja o vídeo desta apresentação aqui, com orquestra e tudo mais. MUUUITO BOM!).

Domingo no Parque – Os Mutantes e Gilberto Gil – Out/67

No mesmo festival, Caetano Veloso apresentou “Alegria, Alegria” com a banda argentina Beat Boys, ficando em 4º (se quiser, veja o vídeo aqui, e repare o jovem Roberto Carlos nos bastidores antes do Caretano Velhoso entrar… pelo video deu pra ver que o Caetano era mais popular que o Gil, mas o juri discordou.

Alegria, Alegria – Caetano Veloso e Beat Boys – Out/67

A escolha de Caetano mostrou-se menos acertada do que a de Gil, e a partir daí, Os Mutantes caíram na graça do movimento Tropicalista, vencendo os argentinos, que sempre perdem para os brasileiros

**** Digressão****
Em Maio de 1968, uma greve geral aconteceu na França. Rapidamente ela adquiriu significado e proporções revolucionárias. Alguns filósofos e historiadores afirmaram que essa rebelião foi o acontecimento revolucionário mais importante do século XX, por que não se deveu a uma camada restrita da população, como trabalhadores ou minorias, mas a uma insurreição popular que superou barreiras étnicas, culturais, de idade e de classe.
Começou como uma série de greves estudantes que irromperam em algumas universidades e escolas de ensino secundário em Paris, após confrontos com a administração e a polícia. À tentativa do governo de de Gaulle de esmagar essas greves com mais ações policiais no Quartier Latin levou a uma escalada do conflito que culminou numa greve geral de estudantes e em greves com ocupações de fábricas em toda a França, às quais aderiram dez milhões de trabalhadores, aproximadamente dois terços dos trabalhadores franceses. Os protestos chegaram ao ponto de levar de Gaulle a criar um quartel general de operações militares para lidar com a insurreição, dissolver a Assembléia Nacional e marcar eleições parlamentares para 23 de Junho de 1968. Um de seus slogans mais famosos foi “Il est interdit d’interdire” (É proibido proibir).
 ****Fim da Digressão****
Em Junho de 1968, Os Mutantes participaram, ao lado de Caetano, Nara Leão, Torquato Neto, Rogério Duprat, Capinam, Tom Zé, Gil e Gal, de “Tropicália: ou Panis et Circencis”, disco-manifesto do movimento tropicalista, gravando a faixa-título do LP. ( Veja o video deles tocando a faixa título aqui)
Em setembro de 68, participaram do “III Festival Internacional da Canção” (FIC), da TV Bobo Globo, defendendo “Caminhante Noturno” (de Arnaldo, Sérgio e Rita), que acabou classificada em sétimo lugar. Mas o episódio mais emblemático daquele festival foi a apresentação de Caetano acompanhado dos Mutantes como banda de apoio.
Domingo, 15 de setembro de 1968. A apresentação de “É proibido proibir” entrou para a História naquela noite. Na final paulista do FIC, realizada no Teatro da Universidade Católica de São Paulo (TUCA), a música de Caetano foi recebida com furiosa vaia pelo público que lotava o auditório.
 Os Mutantes mal começaram a tocar a introdução da música e a platéia já atirava ovos, tomates e pedaços de madeira contra o palco. O provocativo Caetano apareceu vestido com roupas de plástico brilhante e colares exóticos. Entrou em cena rebolando, fazendo uma dança erótica que simulava os movimentos de uma relação sexual. Escandalizada, a platéia deu as costas para o palco. Ato contínuo… sem parar de tocar, Os Mutantes viraram as costas para o público.
Gil foi atingido na perna por um pedaço de madeira, mas não se rendeu. Em tom de deboche, mordeu um dos tomates jogados ao chão e devolveu o resto à irada platéia. Caetano fez um longo e inflamado discurso que quase não se podia ouvir, tamanho era o barulho dentro do teatro.
Guitarras em punho, ouviram uma das maiores vaias da história da música brasileira. Se não a maior, pelo menos a mais célebre. Irônico, ele cantava “Proibido Proibir”. As vaias eram contra as guitarras, que no imaginário da época maculavam a verdadeira MPB, eram sinal de alienação cultural.
Revoltado com a recepção, Caetano fez um longo e inflamado discurso que quase não se podia ouvir, por causa do barulho dentro do auditório.
Ouça o discurso e leia a transcrição, na íntegra, abaixo:
Mas é isso que é a juventude que diz que quer tomar o poder?
Vocês têm coragem de aplaudir, este ano, uma música, um tipo de música que vocês não teriam coragem de aplaudir no ano passado!
São a mesma juventude que vão sempre, sempre, matar amanhã o velhote inimigo que morreu ontem!
Vocês não estão entendendo nada, nada, nada, absolutamente nada.
Hoje não tem Fernando Pessoa.
Eu hoje vim dizer aqui, que quem teve coragem de assumir a estrutura de festival, não com o medo que o senhor Chico de Assis pediu, mas com a coragem, quem teve essa coragem de assumir essa estrutura e fazê-la explodir foi Gilberto Gil e fui eu. Não foi ninguém, foi Gilberto Gil e fui eu!
Vocês estão por fora! Vocês não dão pra entender. Mas que juventude é essa? Que juventude é essa? Vocês jamais conterão ninguém. Vocês são iguais sabem a quem? São iguais sabem a quem?
Tem som no microfone?
Vocês são iguais sabem a quem? Àqueles que foram na Roda Viva e espancaram os atores! Vocês não diferem em nada deles, vocês não diferem em nada. E por falar nisso, viva Cacilda Becker!
Viva Cacilda Becker! Eu tinha me comprometido a dar esse viva aqui, não tem nada a ver com vocês.
O problema é o seguinte: vocês estão querendo policiar a música brasileira. O Maranhão apresentou, este ano, uma música com arranjo de charleston. Sabem o que foi? Foi a Gabriela do ano passado, que ele não teve coragem de, no ano passado, apresentar por ser americana. Mas eu e Gil já abrimos o caminho.
O que é que vocês querem? Eu vim aqui para acabar com isso!
Eu quero dizer ao júri: me desclassifique. Eu não tenho nada a ver com isso. Nada a ver com isso. Gilberto Gil. Gilberto Gil está comigo, para nós acabarmos com o festival e com toda a imbecilidade que reina no Brasil. Acabar com tudo isso de uma vez. Nós só entramos no festival pra isso. Não é Gil? Não fingimos. Não fingimos aqui que desconhecemos o que seja festival, não. Ninguém nunca me ouviu falar assim. Entendeu?
Eu só queria dizer isso, baby. Sabe como é? Nós, eu e ele, tivemos coragem de entrar em todas as estruturas e sair de todas. E vocês? Se vocês forem… se vocês, em política, forem como são em estética, estamos feitos! Me desclassifiquem junto com o Gil! junto com ele, tá entendendo?
E quanto a vocês… O júri é muito simpático, mas é incompetente.
Deus está solto!
(cantando) Me dê um beijo, meu amor, eles estão nos esperando, os automóveis ardem em chamas!
(declamando) Derrubar as prateleiras, as estantes, as estátuas, as vidraças, louças, livros, sim! E eu digo,
(gritando) sim! E eu digo, não ao não! E eu digo: (cantando) É Proibido proibir.
(Gritando histéricamente) Fora do tom, sem melodia. Como é júri? Não acertaram qualificar a melodia de Gilberto Gil? Ficaram por fora. Gil fundiu a cuca de vocês, hein? É assim que eu quero ver. Chega! …
A letra da música, que nem chegou a ser ouvida naquela noite:
Proibido Proibir – Caetano Veloso
A mãe da virgem diz que não
E o anúncio da televisão
E estava escrito no portão
E o maestro ergueu o dedo
E além da porta
Há o porteiro, sim…
E eu digo não
E eu digo não ao não
Eu digo: É!
Proibido proibir
É proibido proibir
É proibido proibir
É proibido proibir…
Me dê um beijo, meu amor
Eles estão nos esperando
Os automóveis ardem em chamas
Derrubar as prateleiras
As estantes, as estátuas
As vidraças, louças
Livros, sim…
E eu digo sim
E eu digo não ao não
E eu digo: É!
Proibido proibir
É proibido proibir
É proibido proibir
É proibido proibir….

No final de 68, os Mutantes estiveram no “IV Festival da Música Popular Brasileira” da TV Record, defendendo “Dom Quixote” e “2001”, esta última parceria de Rita Lee com Tom Zé (Confira o video de 2001 aqui e perceba que a fase das vaias já tinha acabado.”Vocês têm coragem de aplaudir, neste ano festival, uma música, um tipo de música que vocês não teriam coragem de aplaudir no ano festival passado!”).

2001 – Os Mutantes e Gilberto Gil (acordeon) – 1968

Em 1969, os Mutantes realizaram o seu último show com Caetano e Gil. Foi durante a temporada na carioca boate Sucata, no qual ocorreu o famoso incidente da bandeira nacional, que, supostamente, fora desrespeitada, no entender dos militares que governavam o Brasil naquela época. Durante o espetáculo, foi pendurada no cenário do show uma bandeira, obra do artista plástico Hélio Oiticica, com a inscrição “Seja Marginal, Seja Herói”, com a imagem de um traficante famoso naquela época, o Cara-de-Cavalo, que havia sido assassinado violentamente pela polícia. Os militares alegaram ainda que Caetano teria cantado o Hino Nacional inserindo versos ofensivos às Forças Armadas. Isto tudo serviria de pretexto político para que os militares suspendessem o show e prendessem Caetano e Gil, que acabaram sendo deportados. O episódio é considerado como o fim do movimento vanguardista.

Curtiu? Comentaí!

Atualização do post!
Descobri o poema de Fernando Pessoa que Caetano recita na música Proibído Proibir, na versão gravada no estúdio.
É o poema ” MENSAGEM”, na “Terceira Parte-O ENCOBERTO”, Primeiro- OS SÍMBOLOS, Primeiro- D. SEBASTIÃO

Esperai! Cai no areal e na hora adversa
Que Deus concede aos seus
Para o intervalo em que esteja a alma imersa
Em sonhos que são Deus.

Que importa o areal e a morte e a desventura
Se com Deus me guardei?
É O que eu me sonhei que eterno dura,
É Esse que regressarei.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

11 Respostas para “Vocês não estão entendendo nada, ou Os Mutantes no pais da Tropicália”


  • Pedro F. /

    Esse foi o post que eu nunca fiz, mas pelo menos ensinei alguém a fazê-lo.

    Poderia acrescentar que a música “Proibido Proibir” contém uma série de manipulações eletrônicas inspiradas na música de vanguarda que Duprat, Medaglia e companhia queriam difundir via mercado de massas.

    Em “Alegria Alegria”, o livro proibido de Caetano, há um trecho aonde ele fala que essa canção foi meio que encomendada.

    “O que queremos, no fundo, é que as idéias voltem a se tornar perigosas”


  • Gabriel Dread /

    “Esse foi o post que eu nunca fiz, mas pelo menos ensinei alguém a fazê-lo.”
    rararara

    Será q vc teria feito assim mesmo?

    Abraços
    Gabriel
    Obs: Viu os videos? Muito bons! Pura geração de 68!!


  • Gabriel Dread /

    Como assim encomendada??
    É sério isso?
    Foi encomendado mesmo??

    Abração!


  • Gabriel Dread /

    Detalhe: D. Sebastião é aquele Rei que os portugueses ainda estão esperando q volte…

    “Agora é tarde, Inês é morta”
    rsrsrsrs

    Abraços


  • Prolixo Lacônico /

    Opa,
    Valeu pela visita no blog, volte sempre…
    Gostei muito do seu texto que teve o foco na banda Mutantes. Vc misturou a história da banda com a história política nacional…
    Muito bom!1


  • Mariz /

    Salvé!
    Mutantes!
    Acho que estão aí…
    Em bando!

    Sempre…
    Mariz


  • Gabriel Dread /

    @Prolixo: volto sempre, pode deixar.. to sempre lendo os feeds…

    @Mariz: Dizem que sou louco… AXÉ


  • james /

    Acabei de sair da cama e já estou lendo os seus artigos. Isso significa alguma coisa! Informação realmente útil. Thnkx!


  • Anônimo /

    Muito bom. E agora Caetano e Gil esbravejam pelos direitos autorais e autorização de biografias… quem te viu quem te vê. Em tempo, a título de curiosidade: Claudio Cesar Dias Batista também foi o criador da lendária revista Nova Eletrônica. Até hoje seus artigos sobre áudio são lendários.


  • maria Aparecida t.m.o /

    Tenho 56 anos,comecei a ouvir Caetano aos 18. Gil,um pouco depois. Junto com Elomar Figueira Mello,são os melhores da nossa MPB.Elomar,que é muito,muito reservado,tem uma declaração de elogios e agradecimentos para Caetano.É sobre Beleza Pura."não me amarro em dinheiro não….",foi uma homenagem de Cae,para a musica, O Violeiro,de Elomar.


Comentários estão encerrados.
Assinar por email

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações na sua caixa de entrada.





Email:

Curso online

Curso Online Gestão de Ecovilas Gabriel

Participe do curso 100% online

Gestão de Ecovilas

Conheça desafios e habilidades para a viver em comunidades intencionais e cohousing

Recentes

Como fazer Transição morar em uma ecovila
Como voluntariar em ecovilas
Como encontrar uma ecovila
Por que morar numa ecovila
Let's include Conflicts in our plans! | Gabriel Siqueira | TEDxGeneva
Gabriel dread Siqueira Exodo Urbano Festival Path
Workshop Tecnologia e Cidadania
Aprendendo a Cooperar Ecovilas FICOO 2017
Pedra do Sabiá Bahia
Ecovila Digital Campus Party
Bob Marley sorrindo, feliz, e apontando para a câmera, quebrando a quarta parede.
Como administrar uma ecovila
Categorias

Arquivo do Blog