Curta Irradiando Luz no Facebook  Siga Irradiando Luz no Twitter  Acesse o canal do Irradiando Luz no YouTube  Assine o Feed RSS do Irradiando Luz

A redução da redução sociológica de Guerreiro Ramos


Redução Sociológica: um olhar criterioso sobre a ciência.

Alberto Guerreiro Ramos é um dos meus autores preferidos. Já escrevi diversos textos sobre este grande cientista social, mas ainda não abordei um conceito central em sua obra: a redução sociológica. que tem três significados distintos:

  1. Assimilação crítica da produção estrangeira;
  2. Atitude parentética, entendida como preparação cultural da pessoa para transcender, no limite do possível, os condicionamentos circunstanciais que conspiram contra sua expressão livre e autônoma;
  3. Superação da ciência social na forma institucional e universitária em que se encontra.

Meu objetivo com este artigo é fazer uma “redução” da redução sociológica.

A principal preocupação de Guerreiro Ramos era ser um sociólogo “em mangas de camisa”, inserido e atuante em seu contexto social, adotando uma postura política transformadora. Ele estava se rebelando contra a sociologia que era (e ainda é) dominante nas universidades brasileiras: uma sociologia “de gabinete”, distante da realidade nacional, e “consular”, onde o sociólogo atua menos como um solucionador de problemas e mais como representante de uma teoria estrangeira incapaz de explicar a realidade local, apoiando assim a dominação cultural e científica que os países periféricos sempre sofreram e continuam sofrendo.

Na década de 1950, época em que o Guerreiro escreveu seu livro A Redução Sociológica, Florestan Fernandes era o “Papa” dessa ideologia que desconsiderava todo produto científico produzido no Brasil que não fazia referências aos europeus e norte-americanos. E a USP era o “Vaticano” dessa ideologia. Para o Florestan e seus seguidores, a única e verdadeira ciência era aquela proveniente dos “grandes centros científicos” como a França e os EUA, enquanto os brasileiros eram considerados como incapazes, sem refinamento teórico adequado ou ainda, sem recursos materiais para poder “fazer ciência de verdade”.

Guerreiro e Florestan (ajudado por seus puxa-sacos discípulos) tiveram um debate público, mas infelizmente a turma dos uspianos venceu a disputa, se tornando a corrente dominante na sociologia brasileira. Resultado inevitável, pois a briga era desleal, um sociólogo baiano cassado pela ditadura contra a maior instituição universitária do país. Resultado: ainda hoje, fazer ciência no Brasil é sinônimo de importar teorias e aplicá-las no estudo da realidade brasileira. Nossos grandes e autênticos teóricos, como Guerreiro Ramos, foram sumariamente esquecidos e ignorados.

Vamos pensar agora se a redução sociológica ainda pode ser aplicada nos dias de hoje:

(1) Assimilação crítica da produção estrangeira

Pegue um livro, artigo ou tese e “reduza-o” à questões que podem se aplicar ao seu próprio estudo, contexto, etc… Esse conceito fica um pouco desencaixado num mundo globalizado, onde a ideia de “nação” parece não fazer mais muito sentido. Mas, mesmo vivendo em um mundo globalizado, um “alemão” vai ter uma perspectiva totalmente diferente de um “brasileiro”, apesar de não existirem mais nacionalidades puras…

Além disso, podemos pensar não só em questões regionais como históricas também. A ideia aqui é refletir sobre uma determinada teoria e extrair dela os pressupostos que o autor adotou, o contexto histórico e geográfico em que ele estava inserido, críticas à teoria dele, lacunas e falhas, etc… O que sobrar disso tudo, você vê se faz algum sentido aplicar no seu próprio estudo.

Para podermos adotar uma determinada teoria, temos que tomar o cuidado de não cometer o que Guerreiro Ramos chama de “hipercorreção”, ou seja: confiar tanto na teoria que esta usando que começa a desconsiderar tudo que você vê na prática que contradiga suas fontes. O resultado dessa importação acrítica de teoria é que você acaba fazendo uma leitura cega e viciada do seu objeto de estudo. Ou então, é incapaz perceber fenômenos da realidade que nenhuma teoria explicou ainda, pois “se não está na teoria, não tem importância científica”… Imagine só que estagnação do conhecimento deriva deste tipo de conduta… E isso é justamente o que a grande maioria dos cientistas sociais brasileiros tem feito em seus trabalhos….

A Wikipedia na língua portuguesa também sofre de um processo parecido de assimilação acrítica: aparentemente, apenas os verbetes e as ideias que já existem na língua inglesa são considerados relevantes, salvo raras exceções.

(2) Atitude parentética

Assuma uma atitude crítica perante a realidade, as organizações e o seu objeto de estudo. Faça uma “redução” da realidade que você observou, tentando remover as particularidades para se chegar a uma generalização… Mas tenha em mente que essa atitude parentética é difícil de manter, tem que ser constantemente crítico de tudo, até de si mesmo… Se a redução for feita de forma acrítica, vira reducionismo, simplificação grosseira sem validade…

E a generalização final, mesmo se feita de forma crítica, também será apenas uma hipótese, uma conclusão que teria que ser verificada em estudos posteriores para ser realmente universal.

(3) Superação da ciência social na forma institucional e universitária em que se encontra

É uma proposta de total reformulação da ciência. Essa parte fica difícil de encaixar num estudo teórico-empírico como os que são comuns em artigos, dissertações de mestrado e teses de doutorado… O máximo que podemos fazer nesses casos é adotar perspectivas científicas que já conseguiram superar a ciência social institucionalizada, universitária e funcionalista/utilitarista… Sem esquecer de fazer a redução destas perspectivas (voltando ao primeiro sentido do termo).

Utilize os autores que já revolucionaram, reduza-os e você estará contribuindo para criar uma nova ciência social multidisciplinar, dinâmica e pluralista, além de conseguir explicar a realidade com mais fidelidade. Ou então, escreva logo um livro revolucionário para a ciência, como Guerreiro Ramos fez em sua última obra “A Nova Ciência das Organizações”, de 1981.

Quem quiser saber mais sobre os três sentidos da redução sociológica de Guerreiro Ramos, o autor explorou detalhadamente cada significado nas seguintes obras:

  1. Assimilação crítica da produção estrangeira (A Redução Sociológica – 1958);
  2. Atitude parentética, entendida como preparação cultural da pessoa para transcender, no limite do possível, os condicionamentos circunstanciais que conspiram contra sua expressão livre e autônoma (Mito e Revolução Brasileira – 1963; Modelos de Homem e Teoria Administrativa – 1970);
  3. Superação da ciência social na forma institucional e universitária em que se encontra. (Situação atual da sociologia – 1958; Administração e estratégia do desenvolvimento – 1966; A Nova Ciência das Organizações, 1981)

 

Redução blogueira (ou seria blogística?)

Guerreiro Ramos considerava que nos países periféricos, as pesquisas sociológicas não podem “se dar ao luxo” de estudar questões pequenas da vida cotidiana, “detalhes tão pequenos de nós dois”. Para ele, países como o Brasil tem uma URGÊNCIA de resolver problemas de ordem prática como a desigualdade social, a intensa degradação ambiental, a dominação cultural e científica estrangeira, o centramento da sociedade no mercado, a massificação da cultura, a idiotização da população pela mídia e pela publicidade, etc…

Tenha isso em mente quando estiver praticando sua redução, seja ela sociológica… ou mesmo blogueira: mire alto, nos grandes dilemas e problemas que a humanidade enfrenta atualmente.

Gostei dessa ideia de redução blogueira! Vou conceituá-la como:

(1) assimilação crítica da produção midiática;

(2) atitude parentética, entendida como preparação cultural do blogueiro para transcender, no limite do possível, os condicionamentos circunstanciais que conspiram contra sua expressão livre e autônoma;

(3) superação das mídias (revistas, jornais, televisão, blogs) nas formas totalitárias, idiotizantes, manipulatórias e alienantes em que se encontram.

Por falar em redução blogueira (ou seria bloguistica?), esse conceito que eu (acho) que acabei de inventar já se manifestou em diversos artigos aqui no Irradiando Luz.

Gostou? Comente! E lembre-se de fazer a redução blogueira em seus comentários e nos seus próprios artigos.

(imagem: parisneto)

GOSTOU? ACOMPANHE O IRRADIANDO LUZ DE PERTO

Assine nossa newsletter e receba as atualizações do blog no seu email.

Com apenas um clique você irradia luz à sua caixa de entrada!

 

Artigos sobre Ciência, Epistemologia e Sociologia da Administração

A ciência é neutra?

Muitos cientistas querem afirmar a neutralidade, mas a verdade é que somos naturalmente parciais. Toda e qualquer observação de fatos não é desprovida de valores, e a própria escolha do objeto de pesquisa depende de preferências pessoais do pesquisador. Pesquisas científicas são financiadas por pessoas ou instituições com interesses políticos. O mito da ciência pura e neutra é desconstruído por Marx, Weber e uma diversidade de autores. Leia o artigo completo: A ciência é neutra?

Alberto Guerreiro Ramos, vida e obra do maior sociólogo do Brasil

Alberto Guerreiro Ramos foi um dos maiores intelectuais brasileiros, e provavelmente o maior sociólogo do país. Sua obra acadêmica é reconhecida internacionalmente. Suas pesquisas ajudam até hoje o campo de administração a ser capaz de inovar e levar em consideração a dimensão da sustentabilidade ambiental. Guerreiro tem uma forma de fazer ciência e de produzir conhecimento que vai de encontro aos moldes hegemônicos, que se contrapõe à nossa propalada cordialidade. As críticas dirigidas por Guerreiro a nomes consagrados nas ciências sociais brasileiras como, Florestan Fernandes, não deixam dúvidas sobre o seu estilo. Leia sua biografia completa: Alberto Guerreiro Ramos, vida e obra do maior sociólogo do Brasil

Gestão de Ecovilas: Dissertação de Mestrado de Gabriel ‘Dread’ Siqueira

O que é uma ecovila? Como se administra uma ecovila? Qual a diferença entre uma ecovila e uma comunidade alternativa? Como acontece a gestão em uma comunidade intencional? Foram essas inquietações que me levaram a escolher a gestão de ecovilas como tema da minha dissertação de Mestrado em Administração pela UFSC, que concluí em julho de 2012. Para realizar minha pesquisa, fiz um mapeamento das ecovilas, comunidades intencionais sustentáveis e comunidades alternativas existentes no Brasil. Encontrei referência a pelo menos 99 comunidades ativas no país. Leia o artigo completo: Gestão de Ecovilas: Dissertação de Mestrado de Gabriel ‘Dread’ Siqueira – Como é a administração de uma ecovila?

A Síndrome Comportamental, de acordo com Alberto Guerreiro Ramos

Onde quer que a articulação do pensamento não encontre critérios de exatidão, não existe sabedoria. A síndrome comportamentalista faz com que o indivíduo se comporte como uma engrenagem. Alberto Guerreiro Ramos analisa a base psicológica da teoria organizacional e da ciência social em voga. O autor considera que as organizações são sistemas cognitivos e que seus membros em geral assimilam, interiormente, tais sistemas e assim, sem saberem, tornam-se pensadores inconscientes. Leia o artigo completo: A Síndrome Comportamental, de acordo com Alberto Guerreiro Ramos

Consenso e a racionalidade substantiva, TCC de Gabriel ‘Dread’ Siqueira

Vivemos em uma democracia participativa (ou não), onde a vontade da maioria é entendida como antagônica à da minoria. Esta minoria fica assim excluída do processo decisório político. O conflito é punido e reprimido na democracia. O consenso é a superação da democracia excludente. O objetivo do consenso é convergir alternativas e possibilidades de atender a necessidades de diferentes grupos e setores sociais em soluções conciliatórias. O conflito é uma etapa necessária do processo de consenso. É neste contexto que elaborei meu Trabalho de Conclusão do Curso de Administração. Leia o artigo completo: Consenso e a racionalidade substantiva, trabalho de conclusão do curso de Gabriel ‘Dread’ Siqueira

As organizações do movimento alternativo, por Mauricio Serva

Joseph Huber, sociólogo, economista e professor do Departamento de Ciências Políticas da Universidade Livre de Berlim, fêz uma extensa pesquisa sobre organizações que ele denominou “projetos alternativos” no inícios dos anos 80, na então Alemanha Ocidental. Caracterizando o “movimento alternativo” como uma “explosão de idéias”, Huber (1985) nos dá uma visão suficientemente ampla desse movimento na Alemanha, relacionando as grandes áreas onde tais organizações aparecem. Leia o artigo completo: As organizações do movimento alternativo, por Mauricio Serva

A Grande Transformação, de Karl Polanyi

O futuro de alguns países já pode ser o presente em outros, enquanto alguns ainda podem incorporar o passado dos demais. Mas o resultado é comum a todos eles: o sistema de mercado não será mais auto-regulável, mesmo em princípio, uma vez que ele não incluirá o trabalho, a terra e o dinheiro. Karl Paul Polanyi foi um um filósofo, economista e antropólogo húngaro, conhecido por sua oposição ao pensamento econômico tradicional. Leia o artigo completo: A Grande Transformação, de Karl Polanyi

Empowerment: uma abordagem crítica

Empowerment, em português, significa “dar poder a”. No entanto, no contexto da Teoria das Organizações, empowerment é mais uma “tecnologia”, “modelo”, “técnica” ou até mesmo “modismo” da prática administrativa, recentemente muito popular nos círculos gerenciais. Deve-se atentar para o fato de que empowerment, assim como outras “tecnologias revolucionárias” e “tendências” administrativas, podem ser (e geralmente são) instrumentos de controle, maneiras de legitimar o papel central das organizações econômicas na vida de seus funcionários. Leia o artigo completo: Empowerment: uma abordagem crítica

Apreciação Crítica do livro “Marketing de Guerra”, de Al Ries e Jack Trout

Marketing de Guerra: já não temos violência demais no mundo? É impossível, para mim, realizar um trabalho acadêmico a respeito do livro “Marketing de Guerra” (1986), de Al Ries e Jack Trout, sem explicitar uma crítica. Na minha opinião, a visão de mundo e paradigma das quais parte a premissa desta obra ajudam a corroborar o estado de depressão psicológica e falta de sentido da vida que assolam nossa sociedade centrada no mercado. Leia o artigo completo: Apreciação Crítica do livro “Marketing de Guerra”, de Al Ries e Jack Trout

A Nova Ciência das Organizações: uma reconceituação da riqueza das nações

Foi a última obra publicada por Alberto Guerreiro Ramos, em 1981. Este livro foi publicada originalmente em inglês pela Universidade de Toronto (University of Toronto) com o título “The new science of organizations: a reconceptualization of the wealth of the nations”. É o resultado de suas pesquisas sobre a redução sociológica como “superação da ciência social nos moldes institucionais e universitários em que se encontra”. Uma proposta revolucionária de ciência, embasada em uma racionalidade substantiva. Leia o artigo: A Nova Ciência das Organizações: uma reconceituação da riqueza das nações, de Alberto Guerreiro Ramos

Banca da Graça: uma experiência de economia da dádiva e amor incondicional

Imagine que você está andando no centro de sua cidade. De repente, você se depara com uma banca cheia de CDs, DVDs, livros, utensílios diversos, brinquedos de criança, aparelhos celulares e até um computador. Instigado pela curiosidade, você resolve se aproximar e descobre que tudo isso está de graça. É só chegar e pegar! Esta é a proposta da Banca de Graça, uma iniciativa subversiva e revolucionária que você vai conhecer agora. Leia o artigo completo: Banca da Graça: uma experiência de economia da dádiva e amor incondicional

8 respostas para “A redução da redução sociológica de Guerreiro Ramos”

  1. Ana Araujo disse:

    Salve, Gabriel!
    Ótimo texto.
    Que gere frutos.
    Abs,
    Ana

  2. Pedro F. disse:

    até onde eu sei a escola paulista sempre se esforçou para criar uma teoria que desse conta da modernização periférica.

  3. Mauricio disse:

    Muito bom. Parabéns pela análise

  4. Rosalia Lemos disse:

    Parabéns pelo texto.
    Gostaria de observar que o racismo neste país é tão grande e este mal atingiu Guerreiro Ramos. Imagine esse Brasil, ainda racista, em 1958, uma disputa intelectual com Florestan Fernandes?
    Estou terminando minha tese de doutorado em Política Social e estou lendo este livro e o "O problema do Negro na Sociologia Brasileira" que por sinal, é muito bom também.
    Obrigada e continue desenvolvendo a "nova ciência" Redução Bloguista (acho mais científico este nome. rsss.)
    Axé!

  5. Ana Mello disse:

    Olá Gabriel lembrei muito do trabalho de Nildo Ouriques – O colapso do figurino francês.

  6. Wagner Soares de Lima disse:

    Excelente texto.
    Ajuda a compreender a ideia de antropofagia organizacional de Caldas e Wood Jr.
    Mas nada se compara a capacidade crítica de Guerreiro Ramos.
    Parabéns por nos trazer mais um pouco desse mestre.

  7. Cicero Santos disse:

    Muito bom o tema explorado. Sociólógos como Guerreiro Ramos, que alcançou o estágio da liberdade intelectual investigativa, apesar do entorno adverso em que viveu, são, infelizmente, raros. Homens raros acabam tendo problemas com o “estabelecido” pela cultura e o mundo político-organizacional vigente nas universidades. O que mais temos são puxa-sacos. A área que mais puxa-sacos existem, vendidos e entreguistas é sem dúvida, a economia, a ponto de existir faculdades que excluem K.Marx do currículo. Universidade, em si mesma, já é uma área fechada em interesses restritos. Isso prejudica enormemente a formação e autonomia dos formandos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assinar por email

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações na sua caixa de entrada.

 

Irradiando Luz é sustentado por seus leitores

Doe Irradiando Luz
Ajude a manter o Irradiando Luz.

Com apenas R$ 1, você já pode apoiar o nosso portal a continuar existindo e espalhando boas notícias e dicas práticas sobre ecovilas e a transição pessoal e global.

Categorias

Arquivo do Blog